Blog
About

15
views
0
recommends
+1 Recommend
1 collections
    0
    shares
      • Record: found
      • Abstract: found
      • Article: not found
      Is Open Access

      Ethnography and public categories: the making of compatible agendas in contemporary anthropological practices Translated title: Etnografia e categorias públicas: agendas compatíveis na prática antropológica contemporânea

      Read this article at

      ScienceOpen
      Bookmark
          There is no author summary for this article yet. Authors can add summaries to their articles on ScienceOpen to make them more accessible to a non-specialist audience.

          Abstract

          This article is a debate on research that deals with categories pre-defined in the public agenda. It is supported by an experience of doing an anthropological study for the Tupinambá of Olivença aimed at the identification of a juridical category of “indigenous land” defined by the 1988 Constitution of Brazil. The main argument developed in this article starts with the assumption that in the contemporary situation the definition of public categories that involves cultural and social rights of minorities, such as terra indígena, have been defined in public debates in which anthropologists were involved. One of the necessary results of such a situation is that anthropology cannot see these categories as exogenous concepts to be criticized, but as categories of knowledge to be addressed. A detailed proposition of how I have addressed the issue concerning the delimitation of the seacoast border of the indigenous land of the Tupinambá of Olivença is here developed, showing how ethnography in anthropology is a particularly good device to achieve this challenges. Through the Tupinambá case, it is showed how ethnography as situated knowledge, enmeshed in a comparative project and prepared to incorporate the struggles that people face when dealing with conflict situations, intertwines public and indigenous definitions of social categories (in this case, the land) through what is here named compatible agendas.

          Translated abstract

          Neste artigo proponho uma forma de a antropologia lidar com investigação sobre categorias de conhecimento que foram definidas previamente na agenda pública. A reflexão sustenta-se na experiência de realizar um estudo antropológico a pedido dos índios tupinambá de Olivença, sob contratação do governo brasileiro, com o objectivo da delimitação de uma área de território definida na Constituição Brasileira como “terra indígena”. O argumento desenvolvido neste artigo parte da ideia de que a definição pública de categorias como a “terra indígena” já não é “prévia” à antropologia, na medida em que, na situação contemporânea, a definição do que é e como se define a “terra indígena” resulta de um longo debate público no qual a antropologia esteve directamente envolvida. Sendo assim, a antropologia é necessariamente responsável por encontrar um enfoque ajustado que não passe por considerar tais definições como objectos exógenos. A produção actual de etnografia como “conhecimento situado” oferece condições muito ajustadas para este enfoque, já que permite entrelaçar definições indígenas e públicas de categorias sociais (neste caso, a terra) que alcancem agendas compatíveis. A etnografia como “conhecimento situado” é aqui apresentada como um projecto de conhecimento empírico e comparativo, capaz de incorporar a luta e conflitos implicados em processos como os da restituição de direitos sobre a terra.

          Related collections

          Most cited references 4

          • Record: found
          • Abstract: not found
          • Article: not found

          Fazendo corpos: reflexões sobre morte e canibalismo entre os Wari' à luz do perspectivismo

            Bookmark
            • Record: found
            • Abstract: found
            • Article: found
            Is Open Access

            Fazendo corpos: reflexões sobre morte e canibalismo entre os Wari' à luz do perspectivismo

            A partir de uma etnografia detalhada do ritual funerário endocanibal, este artigo tem por objetivo refletir sobre o significado da morte e do canibalismo para os índios Wari' (Pakaa Nova, Rondônia, Brasil), a partir da noção de corpo como sede da visão de mundo e da diferença entre os seres. Conclui-se que a ingestão dos mortos é antes de tudo um meio de desumanizá-los, situando-os na posição de presas, diferenciando-os assim dos vivos que, por atuarem como predadores, adotam para si a posição de humanos. À luz do material wari', questiona-se algumas interpretações recorrentes a respeito dos rituais endocanibais das terras baixas sul-americanas, que se caracterizam por despir o ato de comer de uma de suas características essenciais: o seu potencial classificatório.
              Bookmark
              • Record: found
              • Abstract: not found
              • Article: not found

              Resumo do relatório circuns­tanciado de delimitação da terra indígena tupinambá de Olivença

                Bookmark

                Author and article information

                Contributors
                Role: ND
                Journal
                etn
                Etnográfica
                Etnográfica
                Centro em Rede de Investigação em Antropologia - CRIA (Lisboa )
                0873-6561
                February 2010
                : 14
                : 1
                : 135-158
                Affiliations
                [1 ] Universidade de Lisboa Portugal
                Article
                S0873-65612010000100007

                http://creativecommons.org/licenses/by/4.0/

                Product
                Product Information: SciELO Portugal
                Categories
                ANTHROPOLOGY

                Comments

                Comment on this article