Blog
About

  • Record: found
  • Abstract: found
  • Article: found
Is Open Access

Prevalência e fatores associados a sintomas de ansiedade em uma coorte de gestantes atendidas em um centro de saúde do município do Rio de Janeiro Translated title: Prevalence of anxiety symptoms and associated factors in a cohort of pregnant women attending a health care center in the municipality of Rio de Janeiro

Read this article at

Bookmark
      There is no author summary for this article yet. Authors can add summaries to their articles on ScienceOpen to make them more accessible to a non-specialist audience.

      Abstract

      OBJETIVOS: determinar a prevalência e a associação entre variáveis sócio-demográficas, obstétricas, nutricionais e sintomas de ansiedade em gestantes. MÉTODOS: trata-se de estudo prospectivo com cinco ondas de seguimento. A presente análise é transversal e foi realizada com 151 gestantes. A variável dependente foi a presença ou ausência de ansiedade na gestação, medida entre a 19ª e 21ª semana de gestação. Utilizou-se o Inventário de Ansiedade Traço-Estado (IDATE) para avaliar a ansiedade traço (a-traço). As variáveis independentes foram extraídas de um questionário com dados sócio-demográficos, obstétricos e nutricionais. A análise estatística foi realizada por meio da técnica de regressão multivariada de Poisson com variância robusta. RESULTADOS as gestantes tinham em média 25 anos e nove anos de escolaridade. A prevalência de ansiedade foi de 64,9% (IC95%: 56,7-72,5). No modelo multivariado observou-se que mulheres mais jovens (entre 18 e 24,9 anos, RP=1,35; IC95%: 1,06-1,71) e de menor escolaridade (um a oito anos, RP=1,39; IC95%: 1,11-1,73) apresentaram maior chance de desenvolver ansiedade. CONCLUSÕES: a prevalência de ansiedade foi elevada nesta amostra de gestantes acompanhadas em uma unidade básica de saúde. O conhecimento dos fatores associados à ansiedade é de fundamental importância para que a equipe multidisciplinar possa intervir de forma precoce e adequada no tratamento das gestantes.

      Translated abstract

      OBJECTIVES: to determine the prevalence and the association between socio-demographic, obstetric and nutritional variables and anxiety symptoms in pregnant women. METHODS: the study involved cohorts with five follow-up stages. A cross-sectional analysis was carried out of 151 pregnant women. The presence or absence of anxiety was treated as the dependent variable, which was measured between 19 and 21 weeks of gestation. The State-Trait Anxiety Inventory (STAIT) scale was used to evaluate the anxiety trait. The socio-demographic, obstetric and nutritional data obtained using a questionnaire were treated as independent variables. The statistical analysis was performed using a multivariate Poisson regression with robust variance. RESULTS: the mean age was 25 years and mean level of schooling nine years. The prevalence of anxiety was 64.9% (95%CI: 56.7-72.5). The anxiety trait was associated with age between 18 and 24.9 years (PR=1.35; 95%CI: 1.06-1.71) and 1-8 years of schooling (PR=1.39; 95%CI: 1.11-1.73). CONCLUSIONS: it was observed that the anxiety trait was highly prevalent in this sample of pregnant women whose progress was followed at a health care center. Knowledge of the factors associated with the anxiety is of fundamental importance in allowing the health team to intervene in a timely and appropriate fashion in a pregnant woman's treatment.

      Related collections

      Most cited references 27

      • Record: found
      • Abstract: found
      • Article: found
      Is Open Access

      Associação entre suporte social, depressão e ansiedade em gestantes

      O presente trabalho objetivou correlacionar a presença de sintomatologia depressiva e ansiosa com o suporte social em gestantes durante o pré-natal. Foram participantes 44 gestantes que se encontravam em atendimento em um Centro de Saúde do interior de São Paulo. Para a coleta de dados foram aplicados, de forma individual, um questionário de identificação, a Escala de Depressão Pós-parto de Edinburgh (EPDS), o IDATE e uma Escala de Percepção de Suporte Social (EPSS).Verificou-se que 29,5% apresentaram sintomatologia depressiva, 70,5% sintomas ansiosos controlados (estado) e 56,8% referiram possuir alto suporte social. Houve correlação positiva entre a escala de depressão, estado e traço de ansiedade, além de correlação negativa entre as escalas de depressão e suporte social, ansiedade traço e estado com suporte social. Os dados apontam para a importância do suporte social no período gestacional.
        Bookmark
        • Record: found
        • Abstract: not found
        • Article: not found

        Comentários do debatedor: escalas de avaliação de ansiedade

          Bookmark
          • Record: found
          • Abstract: not found
          • Article: not found

          Inventário de ansiedade traço - estado: características psicométricas

           JL Rosa,  M Rosa,  J. Rosa (1993)
            Bookmark

            Author and article information

            Affiliations
            [1 ] Universidade Federal do Rio de Janeiro Brazil
            [2 ] Universidade Federal de Minas Gerais Brazil
            [3 ] Universidade Federal do Rio de Janeiro Brazil
            Contributors
            Role: ND
            Role: ND
            Role: ND
            Role: ND
            Journal
            rbsmi
            Revista Brasileira de Saúde Materno Infantil
            Rev. Bras. Saude Mater. Infant.
            Instituto de Medicina Integral Prof. Fernando Figueira (Recife )
            1806-9304
            September 2008
            : 8
            : 3
            : 333-340
            S1519-38292008000300013 10.1590/S1519-38292008000300013

            http://creativecommons.org/licenses/by/4.0/

            Product
            Product Information: SciELO Brazil
            Categories
            PEDIATRICS

            Pediatrics

            Gravidez, Age, Educational status, Pregnancy, Ansiedade, Idade, Escolaridade, Anxiety

            Comments

            Comment on this article