6
views
0
recommends
+1 Recommend
1 collections
    0
    shares
      • Record: found
      • Abstract: found
      • Article: found
      Is Open Access

      Agressões nos atendimentos de urgência e emergência em capitais do Brasil: perspectivas do VIVA Inquérito 2011, 2014 e 2017 Translated title: Aggressions in urgency and emergency care in Brazilian capitals: perspectives of 2011, 2014 and 2017 VIVA Survey

      Read this article at

      Bookmark
          There is no author summary for this article yet. Authors can add summaries to their articles on ScienceOpen to make them more accessible to a non-specialist audience.

          Abstract

          RESUMO: Objetivos: Descrever o perfil dos atendimentos por agressões em unidades de urgência e emergência com base nos dados do Inquérito de Violências e Acidentes em Serviços Sentinela de Urgência e Emergência (VIVA Inquérito) 2011, 2014 e 2017 e comparar a evolução de seis indicadores ao longo de quatro (2011 a 2014) e sete anos (2011 a 2017). Métodos: Estudo transversal, com dados das três últimas edições do VIVA Inquérito realizadas no Distrito Federal e em 19 capitais do Brasil. Foram selecionados os tipos de ocorrência: agressão/maus-tratos e intervenção por agente público. Calcularam-se as frequências ponderadas das características das pessoas atendidas, das agressões, das lesões e da evolução dos casos, segundo o sexo. As diferenças entre as proporções foram comparadas pelo teste χ2. Também foram selecionados seis indicadores, e avaliou-se sua evolução ao longo dos anos por meio da variação percentual e do intervalo de confiança a 95%. Resultados: Em grande parte dos atendimentos por agressão, os indivíduos eram negros, jovens e adultos, em ambos os sexos. A principal natureza das agressões foi física, alcançando mais de 85% em todos os inquéritos, seguida da negligência. Na comparação entre 2011 e 2017, as agressões de natureza negligência tiveram aumento significativo em ambos os sexos e em crianças e idosos; já as agressões de natureza sexual tiveram aumento significativo apenas em crianças. Conclusões: O VIVA Inquérito é uma importante ferramenta para o Sistema de Vigilância de Violências e Acidentes do Brasil, proporcionando evidências para a tomada de decisões em Saúde Coletiva e para o enfrentamento e a prevenção das violências.

          Translated abstract

          ABSTRACT: Objectives: To describe the profile of care provided by aggressions in emergency units from the VIVA Survey 2011, 2014 and 2017 data, and to compare the evolution of six indicators over four (2011 to 2014) and seven years (2011 to 2017). Methods: Cross-sectional study, using data from the last three editions of the VIVA Survey carried out in the Federal District and in 19 Brazilian capitals. The types of occurrence were selected: aggression/mistreatment and intervention by a public agent. The weighted frequencies of the characteristics of the people assisted, of the aggressions, injuries and evolution of the cases were calculated, according to sex. Differences between proportions were compared using the χ2 Test. Six indicators were also selected and their evolution over the years was evaluated by means of the percentage variation and the 95% confidence interval. Results: In most cases of aggression, the individuals were black, young and adult, of both sexes. The main nature of the assaults was physical, reaching over 85% in all investigations, followed by negligence. In the comparison between 2011 and 2017, “neglect” aggressions had a significant increase in both sexes and in children and the elderly; aggressions of a “sexual” nature had a significant increase only in children. Conclusions: The VIVA Survey is an important tool for Brazil’s Violence and Accident Surveillance System, providing evidence for public health decision-making and for coping with and preventing violence.

          Related collections

          Most cited references 19

          • Record: found
          • Abstract: found
          • Article: found
          Is Open Access

          Masculinidade e violência no Brasil: contribuições para a reflexão no campo da saúde

          Efetua-se uma reflexão sobre a condição masculina diante da violência, situando o tema no campo interdisciplinar da Saúde Pública. Usam-se dados do Sistema de Informação sobre Mortalidade e do Sistema de Autorização para Internação Hospitalar referentes às causas externas para o Brasil e suas capitais, de 1991 a 2000. As populações usadas nas taxas foram estimadas pelo IBGE e disponibilizadas na home page do Datasus/MS. Destaca-se que os homens são as maiores vítimas da violência. A taxa média de mortalidade masculina por essas causas na década foi de 119,6/100.000 habitantes, sendo 5 vezes maior que a taxa média observada para as mulheres (24/100.000 habitantes). Dos 15 aos 19 anos, os homens morrem 6.3 vezes mais que as mulheres; dos 20 aos 24 anos suas taxas são 10.1 vezes maior que a das mulheres. Nos homicídios esse risco é de quase 12 óbitos masculinos em relação a cada morte feminina. Macapá é a capital com maior sobremortalidade masculina: 10,3 mortes masculinas para cada óbito feminino. Enfatiza-se que o gênero masculino ainda é fortemente configurado por práticas machistas e de risco e que essas práticas são as mesmas que constituem os homens como maiores vítimas da violência. No Brasil, essas questões são potencializadas pelas intensas desigualdades e outras condições adversas à cidadania.
            Bookmark
            • Record: found
            • Abstract: found
            • Article: found
            Is Open Access

            O atendimento às vítimas de violência na emergência: "prevenção numa hora dessas?"

            Neste artigo discutem-se as possibilidades de prevenção que o setor de emergência pode desencadear diante dos casos de violências. Apóia-se nos dados de pesquisa em que se analisaram os atendimentos feitos às vítimas de "causas externas" em dois hospitais públicos de emergência no Rio de Janeiro. Optou-se, neste trabalho, por tratar de forma breve as principais "causas externas" atendidas (entre acidentes e violências), enfatizando-se os atendimentos de violência doméstica contra crianças, contra mulheres e os de tentativas de suicídios. A metodologia da pesquisa articulou o estudo descritivo de base quantitativa a uma abordagem qualitativa construída através de observação de campo e de entrevistas. A partir dos dados empíricos, trava-se uma discussão sobre o atendimento realizado e as oportunidades de prevenção possíveis e as condições necessárias para esta tarefa.
              Bookmark
              • Record: found
              • Abstract: not found
              • Article: not found

              Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006. Cria mecanismos para coibir a violência doméstica e familiar contra a mulher, nos termos do § 8º do art. 226 da Constituição Federal, da Convenção sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação contra as Mulheres e da Convenção Interamericana para Prevenir, Punir e Erradicar a Violência contra a Mulher; dispõe sobre a criação dos Juizados de Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher; altera o Código de Processo Penal, o Código Penal e a Lei de Execução Penal; e dá outras providências.

              (2006)
                Bookmark

                Author and article information

                Journal
                rbepid
                Revista Brasileira de Epidemiologia
                Rev. bras. epidemiol.
                Associação Brasileira de Saúde Coletiva (Rio de Janeiro, RJ, Brazil )
                1415-790X
                1980-5497
                2020
                : 23
                : suppl 1
                Affiliations
                São Paulo São Paulo orgnameUniversidade de São Paulo orgdiv1Faculdade de Saúde Pública Brazil
                Belo Horizonte Minas Gerais orgnameUniversidade Federal de Minas Gerais orgdiv1Faculdade de Medicina orgdiv2Departamento de Medicina Preventiva e Social Brazil
                Belo Horizonte orgnameFundação Oswaldo Cruz orgdiv1Instituto René Rachou Brazil
                Belo Horizonte Minas Gerais orgnameUniversidade Federal de Minas Gerais orgdiv1Programa de Pós-graduação em Enfermagem orgdiv2Departamento de Enfermagem Materno Infantil e Saúde Pública Brazil
                Article
                S1415-790X2020000200407 S1415-790X(20)02300000407
                10.1590/1980-549720200009.supl.1

                This work is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International License.

                Page count
                Figures: 0, Tables: 0, Equations: 0, References: 32, Pages: 0
                Product
                Product Information: website
                Categories
                Artigos Originais

                Comments

                Comment on this article