14
views
0
recommends
+1 Recommend
0 collections
    0
    shares
      • Record: found
      • Abstract: not found
      • Article: not found

      Beetle pollination and flowering rhythm ofAnnona spp. (Annonaceae) in Brazil

      Plant Systematics and Evolution
      Springer Nature

      Read this article at

      ScienceOpenPublisher
      Bookmark
          There is no author summary for this article yet. Authors can add summaries to their articles on ScienceOpen to make them more accessible to a non-specialist audience.

          Abstract

          Related collections

          Most cited references3

          • Record: found
          • Abstract: not found
          • Article: not found

          Some pollination strategies in neotropical savannas and forests

            Bookmark
            • Record: found
            • Abstract: found
            • Article: not found

            A study of the Floral Biology of Victoria amazonica (Poepp.) Sowerby (Nymphaeaceae)

            Abstract A field study of the floral biology of Victoria amazonica (Poepp.) Sowerby (Nymphaeaceae) was made for comparison with the many studies made in cultivated plants, of Victoria in the past. In the study areas in the vicinity of Manaus, four species of Dynastid beetles were found in flowers of V. amazonica, three of the genus Cyclocephala and one of Ligyrus. The commonest species of beetle proved to be a new species of Cyclocephala and was found in over 90 percent of the flowers studied. The flowers of V. amazonica attract beetles by their odour and their white colour on the first day that they open. The beetles are trapped in the flower for twenty-four hours and feed on the starchy carpellary appendages. Observations were made of flower temperature, which is elevated up to 11°C above ambient temperature, when the flower emits the odour to attract the beetles. Observations on beetle frequency, the number of floral parts, seed dispersal and the evolutionary development of cantharophily are also presented. Sumário Foi feito um estudo da biologia floral de Victoria amazonica (Poepp.) Sowerby (Nymphaeaceae) da região de Manaus, para comparar com os estudos feitos em laboratório por outros pesquisadores. Na área estudada. Município do Careiro, foram encontradas quatro espécies de besouros do gênero Cyclocephala (Scarabaeidae: Dynastinae). A espécie de besouro mais comum na área é uma espécie nova, e foi descrita pelo Dr. Sebo Endrödi, de Budapest. Esta espécie nova, C. hardyi, foi encontrada em noventa por cento (90%) das flores examinadas. As flores da Victoria atraem os besouros no primeiro dia em que elas se abrem, pelo aroma forte e pela cor branca das flores. Os besouros ficam presos dentro das flores por 24 horas, e alimentam-se dos apêndices dos carpelos, que possuem muito amido. Também foram feitas observações quanto a temperatura das flores. As flores quando abrem, podem apresentar uma temperatura de 9.5°C acima da temperatura do ar, devido às reações químicas produzindo o aroma. São apresentados ainda dados sobre a freqüência dos besouros nas flores, o número de peças florais da V. amazonica, dispersão das sementes, e sobre a evolução de cantarofila.
              Bookmark
              • Record: found
              • Abstract: found
              • Article: found
              Is Open Access

              Alguns aspectos da biologia floral de Annona sericea Dun. (Annonaceae)

              Resumo São apresentados neste trabalho alguns aspectos da biologia floral de Annona sericea Dun. As suas flores apresentam características de cantarofilia e os insetos visitantes são besouros Chrysomelidae (provável polinizador) e moscas Sciaridae (eventualmente polinizador acessório). Os besouros alimentam-se da parte interna das pétalas e também copulam no interior da flor. A temperatura das flores se eleva até 6°C além da temperatura ambiente, no período noturno. É mostrado um esquema da queda dos estigmas e posterior descarga do pólen. A flor não pode ser autopolinizada, pois os estigmas caem antes da descarga do pólen, porém ela é autocompatível. A fertilidade polínica é de 96%. todavia o número de frutos formados naturalmente é pequeno.
                Bookmark

                Author and article information

                Journal
                Plant Systematics and Evolution
                Pl Syst Evol
                Springer Nature
                0378-2697
                1615-6110
                1989
                1989
                : 167
                : 3-4
                : 165-187
                Article
                10.1007/BF00936404
                c1d8e6a2-3f44-4925-9e35-5c9623b8e612
                © 1989
                History

                Comments

                Comment on this article